Cadastre seu e-mail para fazer o download:

X FECHAR

Cadastre seu e-mail para fazer o download:

X FECHAR

Direitos de aprendizagem BNCC: o rigor acadêmico e altas expectativas

Estamos sempre falando sobre educação infantil, que vem sofrendo grandes transformações ao longo dos anos. Entre os pontos importantes nesse cenário,  estão os direitos de aprendizagem da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Desde sua aprovação, em 2013, o rigor acadêmico e altas expectativas passaram a envolver os educadores. Neste post vamos conversar um pouco mais sobre o assunto. Acompanhe! 

Quando se trata de educação infantil, de acordo com a BNCC, as premissas valem para crianças até cinco anos. A maneira de discutir os direitos de aprendizagem da BNCC - nesse período escolar - é diferente do que estamos acostumados a ver nos ensinos fundamental e médio. Isso porque não existem disciplinas isoladas, e as temáticas devem ser ensinadas pensando nas experiências da criança, que irão se refletir ao longo da vida. 

Antes de entrarmos em detalhes sobre os direitos de aprendizagem da BNCC, é necessário evidenciar a forma como ocorre o desenvolvimento cognitivo da criança. 

Na escola é onde acontece a interação do indivíduo com o mundo. É você, educador, que auxilia os alunos a abrirem caminhos e enxergarem as coisas ao redor. Tudo isso está relacionado às experiências da criança, como a busca por uma identidade; consciência do próprio corpo; descoberta de sons, cores e formas; aprender a lidar com o mundo físico; o contato com a oratória e escrita. 

Sendo assim, para garantir os direitos de aprendizagem da BNCC, é de extrema importância levar em consideração essas etapas. 

A seguir, vamos especificar cada um dos direitos de aprendizagem da BNCC e como implementar isso nas discussões em sala de aula. Continue lendo: 

1. Conviver

Para conhecer o outro e para se relacionar e aprender a lidar com as diferenças entre os indivíduos, é preciso conviver com as pessoas, interagir com crianças e adultos, utilizando diferentes linguagens.

Na prática: brincadeiras e propostas de interação entre os colegas são fundamentais. Jogos, por exemplo, são ótimas maneiras de fazer a criança conviver em uma situação que precise respeitar regras. 

2. Brincar

Em vários espaços e de diferentes maneiras, brincar amplia o acesso a criatividade, conhecimentos e imaginação. As experiências sensoriais se afloram, junto das expressivas e cognitivas.

Na prática: faça um planejamento de acordo com a idade da criança para as brincadeiras. Dirigidas e não dirigidas, em espaços abertos ou fechados. É importante variar. 

3. Participar

A participação também deve ser garantida quando se trata do planejamento de tudo o que será realizado no âmbito escolar, 

Na prática: que tal envolver os alunos em todas as etapas de uma dinâmica, como montar uma casinha de brinquedo, por exemplo? Permita que as crianças ajudem a decidir como será a estrutura, quais materiais serão usados, a cor, e por aí vai. 

4. Explorar

Para se aprofundar é preciso ir além, é preciso explorar o que há de arte, ciência e tecnologia. 

Na prática: invista em técnicas para explorar os movimentos, gestos, sons, formas, texturas e emoções. 

Deixar que as crianças explorem é um dos direitos de aprendizagem da BNCC

5. Expressar

Tudo que envolve a expressividade da criança deve ser estimulado pelo professor. Suas emoções, necessidades e dúvidas devem ser trabalhadas, por meio de diferentes linguagens.

Na prática: invista nas rodas de conversa! Deixe o pequeno falar, escute, dê conselhos e aflore seus sentimentos. 

6. Conhecer-se

Pertencer a algo é uma maneira de se conhecer! Criar uma identidade torna o aluno um sujeito único dentro de uma comunidade. 

Na prática: vivências nas quais a criança passa a constituir uma imagem positiva de si, bem como de seu grupo de pertencimento, são essenciais. É conhecendo a si mesmo que o aluno se desenvolve como pessoa e como indivíduo. 

O rigor acadêmico e altas expectativas: seja um incentivador! 

Aliados aos direitos de aprendizagem da BNCC temos o rigor acadêmico e altas expectativas. Você já sentiu que seus alunos estão desmotivados? Se a resposta for sim, pense na mensagem que você tem transmitido durante as aulas.

Vários estudos já comprovaram que o desempenho escolar tem relação com a expectativa do professor. Por esse motivo, seja um grande incentivador das crianças! 

Para que os docentes sejam capazes de desenvolver um olhar atento às necessidades de cada aluno e lançar mão de diferentes estratégias e abordagens educacionais, é importante investir em formação continuada e novos cursos. 

Acreditar que todos os alunos são capazes de aprender e atingir os níveis de aprendizagem previstos significa direcionar esforços para que todos sejam contemplados – independentemente de cor, gênero, origem social, orientação sexual ou ter ou não deficiências.  Assim, o rigor acadêmico e altas expectativas são muito benéficos para o ambiente educacional. 

Quando você motiva a criança, você apresenta uma expectativa para ela e isso potencializa a vontade dela se desenvolver e se descobrir.

Comece hoje!

Gostou do conteúdo? Você pode explorar ainda mais esse universo no curso online Competências Socioemocionais para Educadores, de Tonia Casarin. De forma fácil e acessível, é apresentado aos professores uma nova realidade e, além disso, como a emoção deve estar inserida na escola! 

Nenhum comentário.

Deixe um comentário!

WordPress Image Lightbox Plugin