Capitaneado pelo Instituto Ayrton Senna, o debate das competências sociais e emocionais ganhou força no último ano. Como estudiosa do tema e defensora ferrenha da incorporação do desenvolvimento dessas habilidades em escolas, de forma que as crianças sejam preparadas para a vida, deparo-me com adultos que tornam-se contra-exemplos de inteligência emocional. E acabam, dificultando a implantação desse currículo de forma eficaz e que garanta a aprendizagem das crianças.

Incentivar os adultos a aprender, refletir e praticar suas próprias habilidades sociais e emocionais também torna-se fundamental para o sucesso da implementação de um currículo de competências sociais e emocionais.

A discussão está focada nas crianças: como desenvolver habilidades para a vida em crianças? Porém, parte do processo fica capenga, quando esquecemos dos outros atores envolvidos.

Manter os pais e responsáveis informados sobre o desenvolvimento das competências sociais e emocionais na escola torna-se fundamental, além de ensiná-los como podem reforçar esse desenvolvimento em casa.

Estamos exigindo das crianças o que os adultos não têm.

Incentivar os adultos a aprender, refletir e praticar suas próprias habilidades sociais e emocionais também torna-se fundamental para o sucesso da implementação de um currículo de competências sociais e emocionais.

E talvez essa interação com pais precise da ajuda da escola. Construir relações respeitosas entre comunidade escolar, além de um ambiente colaborativo e de confiança que seja visíveis para os alunos é fundamental, não somente dentro da escola, como também em casa. Os adultos devem ser exemplos a serem seguidos.

Esse desenvolvimento pessoal envolve o desenvolvimento profissional contínuo dos educadores em todos os níveis da escola é fundamental. Como disse James Baldwin,” As crianças nunca são muito boas para escutar os mais velhos, mas elas nunca falham em imitá-los.” Garantir que toda a equipe escolar modele atitudes positivas que seja evidente a utilização de inteligência emocional e social em suas relações, entre os colegas da escola, com os próprios alunos, professores e pais e responsáveis. Nem todos os programas de implementação de desenvolvimento de competências sociais e emocionais têm sucesso. E a chave para o sucesso parece ser a preparação de professores.

Mas antes, eles precisam aprender como fazer isso…


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *