Partindo das reflexões iniciadas em “O Futuro é Humano”, esse artigo busca aprofundar o aspecto humano do futuro. Como já disse Yuval Harari no seu livro “21 lições para o século 21”, “para cada dólar e cada minuto que investimos na melhoria da inteligência artificial, seria sensato investir um dólar e um minuto no avanço da consciência humana”, vamos começar por dentro. 

Ninguém sabe ao certo como será o mundo em 2050 e muito menos previsível ainda será o mundo em 2100. Porém, para acompanhar esse mundo, você não apenas terá que aprender sobre tecnologias, inventar novas ideias e produtos, entender sobre novas formas que a sociedade tem se organizado – muitas vezes, impactado pela tecnologia – como também precisará se reinventar. Mais de uma vez. 

Poderá haver cada vez menos continuidade em períodos da vida e a questão existencial que já atormenta muitos, será mais urgente e complicada. “Quem sou eu, afinal?”. Uma pergunta simples e extremamente complexa de ser respondida. Esses momentos de questionamentos, mudanças e transições podem gerar ainda mais estresse do que já ocorre hoje. Uma pesquisa da International Stress Management Association, 9 em cada 10 pessoas no mercado de trabalho no Brasil apresentam algum grau de ansiedade. E ainda, 72% das pessoas estão insatisfeitas com o trabalho.

Cuidar de si próprio e ser agente responsável pela sua felicidade passa por começar o dentro.

Dado esse contexto, cuidar de si próprio e ser agente responsável pela sua felicidade passa por começar o dentro. O autoconhecimento é pilar fundamental para que você não somente saiba cuidar de você, mas saiba o que você quer fazer nesse futuro. Parte da desconexão das pessoas com o trabalho é uma busca de propósito. E o ponto de partida do propósito está dentro de cada um.

O autoconhecimento é sobre valores, o que fazer com o tempo, o que é importante e prioritário, para mim, que decisões tomar e poder responder a pergunta filosófica “quem sou eu”. 

Há ainda quem diga que vamos mudar de profissão a cada década. Outros afirmam que uma década é muito tempo para a velocidade exponencial do mundo. E que, portanto, essa mudança na carreira se dará em menos tempo. Num contexto de mudança, vale lembrar que o ser humano não gosta de mudar. Muitos querem mudar o mundo, mas poucos querem mudar a si próprios. É provável que isso envolva níveis imensos de estresse. Pois a mudança é quase sempre estressante e, depois de certa idade, a maioria das pessoas simplesmente não gosta de mudar. 

No alt text provided for this image

Mas nosso cérebro ajuda. Temos uma capacidade cerebral chamada neuroplasticidade. Essa capacidade permite que a gente continue aprendendo ao longo da vida. Ufa! Porém, a flexibilidade cerebral de um adulto é muito menor do que a de uma criança ou adolescente. Reconectar neurônios, fazer novas conexões cerebrais é um trabalho que é mais difícil para o cérebro adulto do que para o cérebro infantil. Porém, a partir de agora, você não poderá se dar o luxo da estabilidade, de não mudar. Já ouviu falar que a única constante é a mudança? Com essa velocidade do mundo, a mudança exige que sejamos capazes de mudar a nós mesmos.

Com essa velocidade do mundo, a mudança exige que sejamos capazes de mudar a nós mesmos.

Para ter sucesso em uma tarefa tão difícil, você precisará trabalhar muito para conhecer melhor o seu sistema operacional – para saber o que você é e o que quer da vida. Este é, naturalmente, um dos conselhos mais antigos: conheça-se. Por milhares de anos, filósofos e profetas exortaram as pessoas a se conhecerem.

Muitas empresas hoje já possuem dados sobre você, baseados nas pegadas digitais impressas na sua jornada online. Muitas empresas já sabem que produtos você gosta, que livros você gosta, seus hobbies e interesses. E te recomendam contas para seguir no Instagram ou livros para ler na Amazon baseado nessas informações. E se essas empresas começarem a indicar em quem você deve votar ou quem você deveria namorar? E se essas empresas conhecerem mais você do que você mesmo? E, se você acha que está lendo um livro porque você escolheu, mas, na verdade, a Amazon que te indicou? Até que ponto essa é uma escolha sua ou dos dados?

O autoconhecimento é um trabalho de vida inteira, um processo contínuo de desenvolvimento. Não somente relacionado com a sensação de bem-estar e saúde mental, como também relacionado à felicidade e sucesso. Nesse futuro já tão presente, o autoconhecimento é base para tomada de decisões que façam com que você seja mais feliz com você mesmo.  

O futuro começa por dentro.