Decidi mudar a forma que eu lido com as palestras que faço.

O tempo que você dedica para uma palestra – no meu caso, todas são diferentes – envolve muito mais do que o tempo que você está falando.

Você precisa preparar o material, conhecer a audiência, se reunir com a organização do evento para entender os objetivos do evento e do público, organizar o storytelling, selecionar e preparar os slides, ensaiar… O trajeto trabalho – aeroporto – hotel – local do evento – aeroporto – avião – casa também pode ser bem longo e cansativo.

E quanto vale a sua palestra? Cada um tem um valor por hora de palestra, o que torna quase impossível mensurar quanto vale a sua hora. Os mais famosos chegam a cobrar de R$ 50 a R$ 100 mil. Ainda que o que você fale em uma hora de palestra – ou às vezes, menos! – não deveria ser considerado o valor da sua hora. Na verdade, você está dividindo com a audiência anos de estudo e trabalho, experiências, metodologias, conhecimento que você adquiriu. Além, claro, de isso só ser possível porque você tem anos de estudo, pesquisa, leitura de livros e artigos acadêmicos durante o mestrado no Teachers College, Columbia University, experiência no Vale do Silício na Singularity University durante 3 meses, na sede da NASA, discussões com especialistas, reuniões com pesquisadores do tema e congressos qualificados como o Salzburg Global Seminar ao redor do mundo e duas palestras do TEDx, como o TEDxPetrópolis e o TEDx Youth Maastricht.

Isso tudo não tem valor para mim se o meu trabalho não tiver impacto na vida das pessoas. Fico sempre pensando o tamanho do impacto de uma palestra versus o tempo que eu poderia estar trabalhando para impactar mais e mais pessoas. Apesar de receber feedbacks positivos das minhas palestras e espectadores falando do impacto da minha fala, preciso fazer o que os americanos chamam de “walk the talk”.

Portanto, para eu continuar fazendo palestras, decidi mudar o conceito de cada palestra que eu faço. O conceito é que cada 1 palestra, eu vou escolher 10 escolas públicas. Cada escola pública selecionará 10 professores, num total de 100 professores.

Cada professor receberá formação em Competências Socioemocionais. Se pensarmos que cada professor pode impactar por ano em torno de 60 crianças, fico mais tranquila no impacto do meu trabalho no mundo. E todo ano, mais crianças estarão na sala de aula desse professores, num ciclo contínuo e crescente.

“A Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo.” – Paulo Freire

Dessa forma, acredito que meu tempo de cada palestra contribui para a minha missão que é inverter a lógica de que mundo queremos deixar para as crianças, mas sim, que crianças queremos deixar para o mundo. Quero transformar as vidas de mais e mais crianças e contribuir para a Educação Pública Brasileira.